Africanos na Santa Casa de Porto Alegre. Óbitos dos escravos sepultados no cemitério da Santa Casa (1850-1885)

Africanos na Santa Casa de Porto Alegre. Óbitos dos escravos sepultados no cemitério da Santa Casa (1850-1885)
Autor: Centro Histórico Cultural da Santa Casa
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788575171899
Preço: R$ 75,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

As histórias do Rio Grande do Sul e de sua Capital estão associadas á trajetória da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. O acervo que ela constitui ao longo de seus 200 anos é rico e multifacetado. Ele informa sobre as condições de vida dos pacientes, a origem social dos que se dirigiam ao hospital, os limites e os cuidados que a população tinha com a saúde privada e pública, enfim, um conjunto de informações que possibilitam reconstituir em muitos aspectos o cenário de vida da Capital e de muitas cidades gaúchas.

Dentre as fontes históricas que a Santa Casa produziu por atuação cotidiana, destacam-se os registros de óbitos do seu Cemitério. Em tempo de escravatura no Brasil, foi no Campo Santo que a Misericórdia acolheu os escravos de Porto Alegre e de outros municípios; destes, eles foram enviados por seus senhores para serem tratados no hospital. Não vencendo a vida, a morte deu-lhes morada final no mais antigo cemitério da capital, em ininterrupto funcionamento até o presente. São mais de seis mil óbitos de escravos com informações que interessam não só à história da saúde, como à história social e à genealogia de muitos que perderam suas raízes familiares, por força da condição escrava. Eis a relevância que esta obra encerra. Ela resignifica a participação dos escravos na história de Porto Alegre e do RS, e por extensão redimensiona a atuação da Santa Casa, que ao longo do tempo vem promovendo a vida e zelando a morte.

Esta obra é uma das que empreendeu muitos esforços para brindar á comunidade regional, e dizer aos afrodescendentes que sua memória não mais vai ser sonegada em nosso meio; ao contrário, mais identificada e revificada. Ela abre um leque de possibilidades de estudos e pesquisas, confrontando a população cativa e a livre: distribuição numérica, doenças, enfermidades e epidemias, longevidade, atendimento religioso, proprietários, possibilidade de encontros entre descendentes de senhores e de escravos, e quiçá, possibilidades de avançar no passado africano, rumo ao clã originário. Viabiliza um privilegiado estudo demográfico longitudinal da população de descendência africana, dando suporte para análises e seguras conclusões.

Ano: 2007

Edição: 1ª

Editora: EST Edições

Idioma: Português

Páginas: 336

Papel: Ofício

Est Editora © 2019