Afro-brasileiros: história e realidade

Afro-brasileiros: história e realidade
Autor: Luiz Carlos Amaro e Mário Maestri
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788575170885
Preço: R$ 30,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

O tráfico de escravos da África para a América portuguesa teve início em 1551 e, ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII, permaneceu em pleno vigor, até entrar no ciclo da ilegalidade, entre os anos de 1816 e 1851, por pressão do movimento abolicionista internacional, capitaneado pela Inglaterra. Assim, no decorrer dos séculos XVI e XIX, quarenta por cento dos milhões de africanos importados para as Américas desembarcaram em portos brasileiros. A vida e a obra dessa população de afrodescendentes, constituídas ao longo desses quatrocentos anos, merecem um exame minucioso. Além de balizar as marcas de seus sofrimentos, há a necessidade premente de se dimensionarem as inúmeras contribuições que eles deram à História do país, do RS, em especial, de fora a preencher os silêncios historiográficos regionais sobre a presença e participação do negro na região, com narrativas fundamentadas em fatos concretos.

Os textos que compõe a obra, produzidos depois de mais de cem anos da abolição, trazem fortes críticas à forma irrefletida como se processou a libertação neste país, mascarando as condições concretas de integração do negro à sociedade de classe e o seu acesso à plena cidadania, acompanhada que foi de políticas que reforçaram a intolerância contra a população negra. Ao longo deste livro, leem-se denúncias sobre a existência de problemas de longa duração, passados de geração a geração, desde o festejado 13 de maio, até a questão do pertencimento, referida na maioria dos textos, de forma explicita ou velada. Essa palavra, de certa maneira, sintetiza e caracteriza a saga histórica dos negros, no Brasil, ora tratados e considerados como africanos, oura como brasileiros. Ela pontua, semanticamente um dos efeitos maléficos do violento translado escravista do continente africano para o americano.

Mostra o corte das raízes e a herança imerecida dos afrodescendentes, buscando legitimar um espaço respeitado e dignificado no Brasil, a nação que com suor e lágrimas, seus antepassados ajudaram a construir. Carmem Andrade de Souza e Jorge Andrade de Souza falaram sobre: Afro-brasileiros e a religião; Günter Weimer sobre: A República do Senhor Mandela; Íris Graciela Germano: Negros gaúchos: o Carnaval Farroupilha de 1935; Luciana Garcia de Mello e Rosiane Maiato: Educação e ações afirmativas; Luiz Carlos Amaro: O Negro e o novo sindicalismo; Maria Lezi Freitas: Os Negros e os novos paradigmas de saúde; Mário Maestri: Terra e liberdade: as comunidades autônomas de trabalhadores escravizados no Brasil; Marisa Laureano: O papel da família escrava no Rio Grande do Sul colonial: 1737-1880; Paulo Luiz Rodrigues e Vera Regina da Silva: Cotas: um desafio histórico; Soraia Mendes: A liberdade negra e a eficácia do acesso à terra pelos remanescentes de quilombos; Vera Regina da Silva: Remanescentes de quilombos e Teniza Spinelli: Arquivo Histórico, guardião da Carta de Porongos.

Ano: 2005

Edição: 1ª

Editora: EST Edições

Idioma: Português

Páginas: 144

Papel: Ofício

Est Editora © 2019