Colonização italiana e agricultura familiar

Colonização italiana e agricultura familiar
Autor: Marcos Aurelio Saquet
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788575170175
Preço: R$ 20,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

O leitor tem a oportunidade de refletir sobre a articulação destes dois processos sociais e territoriais. A questão discutida neste livro é a territorialização italiana no RS no último quartel do século XIX, como resultado da conjugação de fatores econômicos, políticos e culturais, nos níveis interno e externo. E o estudo se dá no município de Nova Palma – RS que resultou da constituição do Núcleo Soturno, a partir de 1884. Neste núcleo os imigrantes italianos e seus descendentes apropriaram-se e produziram o espaço geográfico através de suas atividades cotidianas, materiais e ideológicas, reproduzindo o ideário trazido da Itália. Foram atividades econômicas, políticas e culturais em que os homens e as mulheres construíram as condições básicas para a sobrevivência familiar.

Criaram associações, desenvolveu-se a prática agrícola, o artesanato, o comércio; dançavam, rezavam. Economicamente suas atividades centraram-se na produção agrícola de subsistência e no artesanato, o que gerou especificidades próprias daquele lugar, alimentando, primeiramente, os comerciantes intermediários e posteriormente em Nova Palma, a Cooperativa Agrícola Mista Nova Palma Ltda. Através da circulação simples de mercadorias, comercializando os excedentes em forma de mercadorias e consumindo, os agricultores familiares foram e são subordinados e explorados pelos agentes do capital. Assim, sucintamente, são sufocados e não conseguem melhorias significativas em suas vidas e em suas unidades produtivas, enquanto os agentes do capital acumulam riqueza. Essa é a questão centra que apresenta a obra.

Ano: 2002

Edição: 1ª

Editora: EST Edições

Idioma: Português

Páginas: 112

Papel: Ofício

Est Editora © 2019