História da Imigração Alemã no Rio Grande do Sul

História da Imigração Alemã no Rio Grande do Sul
Autor: Hilda Agnes Hübner Flores
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788575170816
Preço: R$ 38,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

Ao ensejo dos 180 anos de Imigração Alemã no RS, o presente trabalho aborda prioritariamente a imigração alemã ocorrida no RS, com início no ano de 1824 e que perdurou até as primeiras décadas do século XX. Abordou-se o processo imigratório-colonizador, em suas implicações com o meio ambiente, sua labuta material e a cultura aqui construída de uma maneira bastante genuína porque, isolados por décadas da comunidade lusa e “esquecidos” pelo governo, os imigrantes e descendentes tornaram-se autores de um sistema de vida próprio, nos aspectos pertinentes a religião, escola, ao tipo de trabalho, de convivência, de recreação, no modo de constituir família, associações e comunidades.

É enfocado o imigrante desde a Europa, onde múltiplas causas concorreram na sua decisão de emigrar. A difícil despedida da pátria e as incertezas da viagem. A chegada ao Brasil. Finalmente o lote rural, no meio da selva, onde o improvisado colono devia construir um novo lar. Para entender o processo imigratório, é preciso considerar as diferentes épocas de chegada dos imigrantes e as condições peculiares de cada local de assentamento: o vale dos Sinos, onde imigrantes renanos povoaram a Colônia de São Leopoldo (1824-1830); o vale do Taquari, povoado por alemães e descendentes dos primeiros colonos (1844-1875), a conquista do Planalto, quando a presença do imigrante italiano superou a do alemão (1875-1889); a ocupação do Alto Uruguai, com imigrantes e migrantes de várias nacionalidades; os assentamentos na República, até a I Guerra Mundial (1890-1914) e finalmente o período pós I Guerra Mundial, com a imigração superada pela migração interna, e a busca de espaço além-fronteiras.

Cada fase apresenta características locais, dentro da política imigratória oficial e dos recursos disponíveis em cada momento e cada região. O aspecto religioso desde logo veio quebrar o monobloco do catolicismo oficial até então dominante. A escola foi encarada como obrigação dos pais, fato que o governo aceitou pacificamente. O isolamento geográfico e cultural estruturou comunidades teutas com características distintas da realidade lusa. Surgiram associações religiosas, de lazer e econômicas.

Est Editora © 2019