Histórias de operários Negros

Histórias de operários Negros
Autor: Petronilha Beatriz G. e Silva
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN:
Preço: R$ 25,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

Este é um trabalho realizado com três operários negros, de mais de 70 anos e uma autora pesquisadora negra, interessada em compreender como se educam os seres humanos e empenhada em participar do desvelamento da memória do negro brasileiro. O trabalho se desenvolveu em 1984, no quadro da Pesquisa: Educação e Formação da Classe Operária – reconstrução histórica- RS 1889-1930. De um lado se buscava compreender as ligações que possam existir entre aprendizagem de um ofício e escolaridade de operários: de outro, se espera contribuir para recuperação do passado, afirmação do presente e construção do futuro do negro brasileiro. Dizer que o estudo resultou do esforço conjunto igualmente valioso dos quatro autores não é força de expressão. Pois, coube à pesquisadora ordenar as referências teóricas, bem como estudar os depoimentos e delinear uma interpretação, aos operários pesquisadores coube investigar suas vidas de trabalhadores, e expor suas experiências, transformando-as em histórias para serem estudadas. Sobre o tema de pesquisa quase nada foi encontrado em registros. Por isso o estudo foi baseado exclusivamente na fonte mais valiosa com que se poderia contar: a memória dos três velhos operários.

As lembranças, embora pessoais, não são limitadas à própria pessoa, abrangendo seu grupo social, estão situadas numa época, se deslocam num espaço preciso e, em se tratando de lembranças de trabalho, revelam e esclarecem estruturas econômicas, condições de trabalho, relações entre operários, entre estes e seus patrões, além de desvelar visão do mundo, compreensão da vida e dos homens. Ao abrir este trabalho se fazem necessárias ainda, duas outras considerações. A primeira diz respeito ao carácter não conclusivo do estudo, no sentido de que as interpretações aqui feitas não são as únicas possíveis. Outros pontos de vista teóricos poderão iluminar a leitura do depoimento dos três operários. Além do mais, a sensibilidade aguçada pela história pessoal de cada um, dos que se debruçarem sobre esses depoimentos, tornará salientes intenções, manifestações, sentimentos, frustrações, desejos, realizações que a outros podem passar despercebidos. E também de se comentar a emoção com que algumas das interpretações são feitas, sobretudo as relativas à imagem do negro. Emoção entendida como vitalidade, força que faz mover que pretende desacomodar, chamar a atenção, e jamais tida como falta de objetividade. Emoção que nasce da observação da história, do fato narrado, da concretude do depoimento e sobre isso se manifesta. Emoção despertada no trabalho de relembrar do operário e no de anotar e buscar compreender da pesquisadora. Emoção que é, sem dúvida, uma das formas de o negro conhecer o mundo, a vida, as pessoas, bem como uma das maneiras que tem de se expressar no mundo, com essas pessoas.

A outra consideração é relativa à limitação teórica do estudo. Faltou situar historicamente, no RS, o período em que se desenvolveram as histórias. Trabalho não é só luta pela sobrevivência, operações para realizar uma tarefa, realização pessoal, é também e muito, o lugar o panorama social e econômico onde isso se desenvolve. Caberia, portanto, que se fizesse uma contextualização da época e do lugar, seja através da literatura, seja através dos próprios operários. Com essas observações se abre o presente trabalho.

Ano: 1987

Edição: 1ª

Editoras: EST Edições e Nova Dimensão

Idioma: Português

Páginas: 100

Papel: Ofício

Est Editora © 2019