Negros na Revolução Farroupilha. Traição em Porongos e farsa em Ponche Verde

Negros na Revolução Farroupilha. Traição em Porongos e farsa em Ponche Verde
Autor: Moacyr Flores
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788575171479
Preço: R$ 35,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

Trata-se de uma pesquisa documental sobre a atuação dos heróis combatentes que povoaram o imaginário construído sobre a traição de Porongos e os mistérios do simulado Tratado de Ponche Verde. Como explicar a manutenção do sistema de escravidão de negros e a traição no massacre de Porongos? Por que os farroupilhas não aboliram a escravidão? Os republicanos armaram os escravos capturados dos imperiais e aqueles que substituíram seus senhores convocados para o Exército revolucionário. Por que não armaram todos os escravos? Teriam um dos maiores exércitos das guerras civis das Américas. Os liberais consideram como cidadãos, isto é, com direitos políticos, apenas os proprietários. Os escravos e libertos não eram cidadãos, só os homens que nasceram livres, conforme as leis que se herdou de Roma Antiga. O escravo era um objeto que podia ser vendido, alugado, hipotecado e legado em dote. Os códigos de posturas municipais colocavam o escravo no mesmo capítulo dos animais. Portanto, o cativo só ganharia liberdade se a comprasse ou se fosse dada por seu dono.

Ele não podia ser tratado com igualdade porque não era cidadão, restava a ele apenas o tratamento de humanidade, que dependia dos sentimentos de cada proprietário. Moacyr Flores reuniu neste livro reflexões sobre a escravidão no período da Guerra Civil dos Farrapos, que publicou em revistas ou proferiu em palestras. Fez adaptações, para evitar repetições e para preencher lacunas que por ventura ficaram entre um texto e outro. O livro é composto e trata do segmento social do negro na sociedade sul rio-grandense, descreve as diferentes profissões de escravos, de acordo com os anúncios de jornais da época, os escravos no período farroupilha e por último é uma tentativa de estabelecer as diferentes relações entre os amos e os escravos.

O tema mais polêmico é do uso dos escravos na infantaria e na cavalaria, como lanceiros, procurando esclarecer, através da documentação existente na Coleção Varela, no Arquivo Histórico do RS, a traição no combate de Porongos. Por último há uma estreita ligação entre o combate de Porongos e a simulada Convenção de Ponche Verde, que é popularmente conhecida por Tratado de Paz.

Est Editora © 2019