Mordaça Verde e Amarela. Imigrantes e descendentes no Estado Novo

Mordaça Verde e Amarela. Imigrantes e descendentes no Estado Novo
Autor: Cátia Dalmolin
Formato: Brochura
Disponibilidade: Em Estoque
ISBN: 9788589833257
Preço: R$ 38,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

Em Agosto de 1942, cinco navios mercantes brasileiros foram afundados no litoral do Brasil por submarinos nazistas e provocaram a morte de 607 pessoas. O episódio, provavelmente, ocorreu em represália ao fato do governo brasileiro ter cedido locais no Nordeste para o estabelecimento de bases militares norte-americanas. Nas cidades onde havia a presença de populações de origem alemã e italiana como em Santa Maria – RS, o resultado não demorou a acontecer. A população brasileira armou-se de fúria e tratou de começar a guerra contra o nazifascismo por conta própria. Insuflada por lideranças nacionalistas, a população de Santa Maria, na noite do dia 18 de Agosto de 1942, passou a depredar todos os locais que identificava como de propriedades de alemães e italianos. Bastava identificar um nome, numa placa de armazém, de hotel ou de igreja, que fosse ou se assemelhasse à língua italiana ou alemã para que a massa passasse a depredar e saquear como se estivessem diante de representantes de Hitler ou Mussolini.

Fatos como as depredações em Santa Maria, as prisões por cantar em língua italiana, destruição de símbolos da italianidade, marcaram o imaginário dos descendentes de italianos na região de Santa Maria. O objetivo desta obra é investigar esses episódios e foram reunidos seis ensaios de caráter histórico e antropológico, representados pelos trabalhos de Dilse Corteze, René Gertz, Ângelo Christoffoli, Cátia Dalmolin, Maria Catarina Zanini e Lenir Agostini, juntamente com quatro entrevistas com homens que viveram os conturbados acontecimentos, reprodução de artigos de jornal da época, assim como de registros fotográficos de um curta-metragem que se propôs reconstituir este período. O conjunto de textos e fotos tem como eixo a repressão provocada pelo nacionalismo varguista nas populações originárias do ciclo imigrantista, especialmente o grupo étnico italiano.

O estudo mostra o retrato de uma dor vivida por seus antepassados, iluminada por rigorosas reflexões, acompanhada de testemunhos e registros históricos. Ao final além da compreensão do período histórico que produziu o nacionalismo varguista e também os seus desdobramentos na chamada área colonial italiana, a possibilidade do fim de um silêncio a respeito de uma experiência dolorosa que marcou a vida da comunidade ítalo-brasileira no interior do RS.

Ano: 2005

Edição:

Editora: Pallotti

Idioma:  Português

Páginas: 216

Papel: Ofício

Est Editora © 2020